O reinado de Cristo é um tema que tem sido evitado em vários ambientes. Às vezes há a conotação da insuficiência das Escrituras para garantir-lhe a literalidade ou não. Longe estamos de um armistício. Sobram argumentos, acredito, para ambos lados.
Caberá a quem defende sua literalidade apresentar provas, pois o ônus da prova cabe a quem busca provar a existência, e não para quem apenas afirma a “não existência”.
Assim, através das Escrituras rumarei, certo que afirmarão que tais argumentos não são exaustivos. Para os tais, sugiro a refutação como direito ao contraditório.
Afirmo que tanto quanto possível as palavras devem ser tomadas em seu sentido natural, respeitando aspectos históricos e gramaticais. Caso não faça sentido e tenhamos argumentos textuais devemos buscar outro significado para ela. 
Passemos aos argumentos.
É significativa a evidência dada pelo escritor sagrado ao traçar a genealogia de Jesus registrar Davi, o rei de Israel.
e a Jessé nasceu o rei Davi. A Davi nasceu Salomão da que fora mulher de Urias; e a Jacó nasceu José, marido de Maria, da qual nasceu JESUS, que se chama Cristo. (Mt 1:6,16)
Podem alguns dizer: mas, ele de fato era da descendência de Davi. Então concordamos neste primeiro ponto: Jesus é descendente de Davi – e isso é muito importante. O reinado de Cristo está imbricado ao do rei Davi, por isso – não apenas – já podemos fundamentar sua literalidade.
Senão vejamos:
Quando teus dias forem completos, e vieres a dormir com teus pais, então farei levantar depois de ti um dentre a tua descendência, que sair das tuas entranhas, e estabelecerei o seu reino. Este edificará uma casa ao meu nome, e eu estabelecerei para sempre o trono do seu reino. (2 Sm 7:12,13)
No texto acima poderão objetar: por que esse reino seria literal? Responderei: dias completos são literais, dormir é literal (mesmo que morte), descendência é literal, entranhas é literal, logo há plena possibilidade do reino prometido ser literal… pois para sempre também o é.
Os ensinos dos santos profetas confirmam a literalidade do reino:
Eis que vêm os dias, diz o Senhor, em que cumprirei a boa palavra que falei acerca da casa de Israel e acerca da casa de Judá. Naqueles dias e naquele tempo farei que brote a Davi um Renovo de justiça; ele executará juízo e justiça na terra. (Jr 33:14-15)
Leia ainda Is 55.3,4; Jr 30.9; 33.15,17,20,21; Os 3.5; Am 9.11.
A relação do Messias com Rei é inequívoca, portanto a literalidade de uma implica na literalidade da outra.
desça agora da cruz o Cristo, o rei de Israel, para que vejamos e creiamos, Também os que com ele foram crucificados o injuriavam. (Mc 15:32)
E começaram a acusá-lo, dizendo: Achamos este homem pervertendo a nossa nação, proibindo dar o tributo a César, e dizendo ser ele mesmo Cristo, rei. (Lc 23:2)
E há outro argumento:  a nação de Israel esperava por um rei literal.
É impossível refutar tal verdade das Escrituras. Podem até afirmar que a nação  Israel não entendeu e que  estava enganada, o que Jesus não o fez.
·         A morte dos infantes decretada por Herodes (Mt 2.13,16)
·         A vinda dos magos (Mt 2.1-2)
Há várias passagens em que o reino de Jesus é apresentado como se literal, e Jesus poderia ter-lhe corrigido ou mesmo refutado, mas Jesus não o fez.
·         À afirmação de Natanael: Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és rei de Israel. (Jo 1.49)
·         À mãe dos filho de Zebedeu: Concede que estes meus dois filhos se sentem, um à tua direita e outro à tua esquerda, no teu reino. (Mt 20:21)
·         Ao malfeitor na cruz: Então disse: Jesus, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino. (Lc 23:42)
E o texto:
Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo; se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; entretanto o meu reino não é daqui. (Jo 18:36)
O texto não fala sobre sua natureza, mas sobre sua origem. Quanto a isto não há o que discutir: o reino de Cristo não é DAQUI. Mas, não podemos dizer que não será AQUI… literalmente.
E o texto:
nem dirão: Ei-lo aqui! ou: Ei-lo ali! pois o reino de Deus está dentro de vós. (Lc 17:21)
ninguém, em sã consciência, pode negar a dimensão espiritual do reino de Deus. Mas, este argumento não anula a literalidade do reino de Jesus Cristo.
Nos últimos instantes do Senhor ainda aqui no mundo com seus discípulos houve o seguinte diálogo:
Aqueles, pois, que se haviam reunido perguntavam-lhe, dizendo: Senhor, é nesse tempo que restauras o reino a Israel? (At 1:6)
Ele bem poderia ter refutado de uma vez por todas essa ideia de reino literal. Entretanto, Ele a refirmou:
Respondeu-lhes: A vós não vos compete saber os tempos ou as épocas, que o Pai reservou à sua própria autoridade. (At 1:7).
A sobre a bendita cruz estava:
E Pilatos escreveu também um título, e o colocou sobre a cruz; e nele estava escrito: JESUS O NAZARENO, O REI DOS JUDEUS. (Jo 19:19)
Muito mais há, mas os textos apresentados são fortes fundamentos da esperança da vinda e o do reino literal do Senhor.
Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente cedo venho. Amém; vem, Senhor Jesus. (Ap 22:20)
  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s