A celebração do natal (mesmo com suas aberrações, é necessário que assim seja!) exibe e implica no reconhecimento que Deus visitou o mundo. Não importando se há ou não conhecimento dos textos da palavra de Deus a respeito.

A própria idolatria presente na festa associa-a ao texto sagrado: anjos, Maria, José, um menino, deitado em uma manjedoura. São detalhes a respeito da vinda de Deus ao mundo, determinados Deus 700 anos de se fazerem realidade na história humana.  

“Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamarão seu nome EMANUEL, que traduzido é: Deus conosco”. (Mt 1:23).

Portanto, Deus, ainda que as pessoas que não o conhecem, ou mesmo rejeitem sua existência, no natal “celebram sua vinda ao mundo”.

Semelhantemente, Deus deixou escrito que os homens são indesculpáveis diante dele, pois testemunham o seu poder na criação e o senso de bem e mal no interior de cada homem. 

Acrescente-se agora o natal.

Mesmo que Jesus afirme sua divindade (seus feitos) e eternidade (não ter princípio de dias, nem fim de existência), a humanidade, em sua oposição, subjuga a Deus, criando um deus com as próprias mãos, e aquele ídolo-gesso permanece deitado, em obediência aos celebrantes.

A celebração do natal, portanto, independentemente de crença, ano após ano, reafirma que o homem é indesculpável diante de Deus. 


Este é o seu verdadeiro significado.

Nada poderão argumentar sobre a rejeição do amor de Deus em seu Filho Jesus… que para seus celebrantes nada mais é que um boneco de gesso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s